Nisto erramos: em ver a morte à nossa frente, como um acontecimento futuro, enquanto grande parte dela já ficou para trás. Cada hora do nosso passado pertence à morte.

Quando morreres, só levarás aquilo que tiveres dado.

Cada vez mais se constata que a atividade psíquica não é um produto exclusivamente fisiológico. Sabe-se, experimentalmente, que a ausência da atividade onírica provoca estados psicóticos, os quais, inclusive, podem levar é morte, caso persistam por muito tempo. A importância da vida mental para o organismo ficou comprovada nesses experimentos.
O homem, quando dorme, apenas muda o nível de sua atividade psíquica. Se o que ele percebe, em estado de vigília, é real, por que real seria o que ele percebe oniricamente?
Qual, na verdade, a diferença entre o que passou e o sonho? A memória não prova o que aconteceu, pois o presente, agindo sobre o passado, o modifica. Só o presente, então, parece real. Mas, o presente é instantâneo e está influenciado pela memória e pelas expectativas do futuro.
O sonho é o que não se tornou fato e o passado é o fato que se tornou sonho, pois a memória tem a mesma estrutura do sonho.

Quem não tem medo da vida também não tem medo da morte.

[Consta na Lápide de Fernando Sabino]
Fernando Sabino, que nasceu homem e morreu menino

Acreditamos ficar tristes pela morte de uma pessoa, quando na verdade é apenas a morte que nos impressiona.

A Morte

Não sabemos o que vem depois,
Não sabemos por quê vivemos.
Mas temos certeza de nossas vidas,
Certeza que um dia partiremos.

Partir para algum misterioso lugar,
Em nossos conhecimentos: nos libertará.
Encontraremos a tão sonhada paz, talvez.
Mas eu sei que la no ceu um dia estaremos:

Se pode haver estrelas tão belas,
Um sol escaldante, e uma lua amante,
Por que não um anjo em vida outrora?

A morte é um misterio que tentamos planejar,
Tentamos desvendar. Mas sabemos que iremos encontrar,
Mas não sabemos onde, nem quando ela virá.
Resta viver e esperar o triste e alegre fim que é a morte.

Espero que o seu dia seja bom e que seu trabalho flua. Que as coisas possam acontecer dentro de uma concordância.
Espero que você seja forte o bastante para suportar aquilo que tente ser mais forte que você e que você saiba suportar um peso além das suas expectativas.
Espero que mesmo que acabe toda sua vontade, você olhe pra dentro de si e encontre aquilo que te faz bem em saber quem você é ou tem.
Espero que quando você estiver a ponto de infartar que você pare e reflita se vale a pena morrer assim (na verdade não paramos para pensar como devemos morrer, apenas não morra por trabalho, acho que morrer de velhice é a morte mais sensata).
Espero que quando alguém lhe fechar no trânsito você consiga (pelo menos aos poucos) não tentar seguir este "ser" e arrumar uma encrenquinha, só pra variar…
Espero que com o passar do tempo você realmente me escute e não se entendie de tanto eu lhe pedir para parar de se "cutucar".
Espero que eu ainda possa "mesmo que numa freqüência baixa" lhe dar muito carinho, sentir seu cheiro e me refazer todas as vezes que isso acontecer.
Espero te ver sempre atacando de "gente grande" e segundos depois atacando de "criança".
Espero que quando eu te irritar profundamente você continue deixando muito claro que te irritei e que no dia posterior eu ainda tenha uma chance de corrigir meus erros e dizer de algumas maneiras diferentes o quanto te amo, o quanto sem você não dá, mesmo que eu não diga mais com tanta freqüência.
Espero te encontrar mais vezes do que o planejado.
Espero nunca perder a liberdade de ficar enfiada no seu mundo tão perfeito e maluco.
Espero que você perceba que te amar não é um esforço, e sim algo que desliza do meu coração deixando vestígios pelo meu corpo, meus pensamentos, meus atos, minhas manias, meus desejos e tem sido o melhor que tenho feito…te amado de longe, de perto, aceitando seus limites, seu jeito, engolindo o ciúme que me rasga toda…
Espero apenas que você consiga de todas as maneiras ser feliz e que eu possa contribuir um pouco pra isso!

Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundíssimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância…
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há-de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!

O homem não tem poder sobre nada enquanto tem medo da morte. E quem não tem medo da morte possui tudo.

A morte é um sono sem sonhos.

É hora de partir, meus irmãos, minhas irmãs
Eu já devolvi as chaves da minha porta
E desisto de qualquer direito à minha casa.
Fomos vizinhos durante muito tempo
E recebi mais do que pude dar.
Agora vai raiando o dia
E a lâmpada que iluminava o meu canto escuro
Apagou-se.
Veio a intimação e estou pronto para a minha jornada.
Não indaguem sobre o que levo comigo.
Sigo de mãos vazias e o coração confiante.

A vida precisa ser renovada. A morte é a mudança que estabelece a renovação. Quando alguém parte, muitas coisas se modificam na estrutura dos que ficam e, sendo uma lei natural, ela é sempre um bem, muito embora as pessoas não queiram aceitar isso. Nada é mais inútil e machuca mais do que a revolta. Lembre-se de que nós não temos nenhum poder sobre a vida ou a morte. Ela é irremediável.
O inconformismo, a lamentação, a evocação reiterada de quem se foi, a tristeza e a dor podem alcançar a alma de quem partiu e dificultar-lhe a adaptação na nova vida. Ele também sente a sensação da perda, a necessidade de seguir adiante, mas não consegue devido aos pensamentos dos que ficaram, a sua tristeza e a sua dor.
Se ele não consegue vencer esse momento difícil, volta ao lar que deixou e fica ali, misturando as lágrimas, sem forças para seguir adiante, numa simbiose que aumenta a infelicidade de todos.
Pense nisso. Por mais que esteja sofrendo a separação, se alguém que você ama já partiu, libere-o agora. Recolha-se a um lugar tranqüilo, visualize essa pessoa em sua frente, abrace-a, diga-lhe tudo que seu coração sente. Fale do quanto a ama e do bem que lhe deseja. Despeça-se dela com alegria, e quando recorda-la, veja-a feliz e refeita.
A morte não é o fim. A separação é temporária. Deixe-a seguir adiante e permita-se viver em paz.

"A morte é só uma mudança de estado.
Depois dela, passamos a viver em outra dimensão"

O mundo é feito por nós.

Nós somos os nós do mundo
e em tudo estamos atados.

O eu sem nós não existe.

A morte é o eu desatado.

Que o teu trabalho seja perfeito para que, mesmo depois da tua morte, ele permaneça.

“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.

Saudades

Saudades! Sim… Talvez… e porque não?… Se o nosso sonho foi tão alto e forte. Que bem pensara vê-lo até à morte. Deslumbrar-me de luz o coração! Esquecer! Para quê?… Ah! como é vão! Que tudo isso, Amor, nos não importe. Se ele deixou beleza que conforte. Deve-nos ser sagrado como o pão! Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! E quem dera que fosse sempre assim: Quanto menos quisesse recordar. Mais a saudade andasse presa a mim!

Nenhum homem que tenha vivido conhece mais sobre a vida depois da morte que eu ou você. Toda religião simplesmente desenvolveu-se com base no medo, ganância, imaginação e poesia.

MEU SONHO

Álvares de Azevedo

EU
Cavaleiro das armas escuras,
Onde vais pelas trevas impuras
Com a espada sanguenta na mão?
Por que brilham teus olhos ardentes
E gemidos nos lábios frementes
Vertem fogo do teu coração?

Cavaleiro, quem és? — O remorso?
Do corcel te debruças no dorso…
E galopas do vale através…
Oh! da estrada acordando as poeiras
Não escutas gritar as caveiras
E morder-te o fantasma nos pés?

Onde vais pelas trevas impuras,
Cavaleiro das armas escuras,
Macilento qual morto na tumba?…
Tu escutas… Na longa montanha
Um tropel teu galope acompanha?
E um clamor de vingança retumba?

Cavaleiro, quem és? que mistério…
Quem te força da morte no império
Pela noite assombrada a vagar?

O FANTASMA
Sou o sonho de tua esperança,
Tua febre que nunca descansa,
O delírio que te há de matar!…

há colcha mais dura
que a lousa
da sepultura?

    Curta-nos no Face!

Recomendamos
Contato:


Sugestões, reclamações ou elogios podem ser feitos pelo email, contato@imotion.com.br ou participe da nossa comunidade no orkut!
Comunidade Portal Imotion