Quão feliz é o destino de um inocente sem culpa. O mundo em esquecimento pelo mundo esquecido. Brilho eterno de uma mente sem lembranças. Cada orador aceito e cada desejo renunciado

NINGUÉM TEM CULPA DO ROSTO QUE TEM, MAS, É RESPONSÁVEL PELA IMAGEM QUE CONSTRÓI.

amor múltiplo é a brincadeira de despetalar flores só com bem-me-queres. todas bem-queridas. isentas de culpa. não é tentar seguir a razão ou a lógica. amar, no plural ou no singular, é ser fiel ao próprio coração.

Casamento é um Estado de Espírito
Pra começar, casamento não deveria ser um divisor de águas na vida de uma pessoa, com uma data escolhida para separar definitivamente o antes do depois.
Em vez de decidir casar, deveríamos permitir que o casamento acontecesse espontaneamente, sem que a gente nem percebesse. Comigo, sortuda que sou, aconteceu assim. Estávamos juntos havia um tempão e cada um morava no seu apartamento. Aos poucos, a cumplicidade foi aumentando, nossas roupas e discos começaram a se misturar, já não queríamos dormir separados. Não fazíamos muitos planos para o futuro, curtíamos a companhia um do outro serenamente, sem pactos nem juras de amor eterno, até que um belo dia nos demos conta de que já estávamos casados, casadíssimos, a questão era oficializar ou não. Oficializamos, assinamos os papéis, e o que mudou a partir daí? Nada. Qual é a data do nosso casamento? 13 de janeiro, 30 de março, 23 de outubro, 8 de dezembro… escolha você. Em cada dia dos nossos quatro anos de namoro a gente casou um pouquinho. O que equivale a dizer que começamos a casar no dia em que nos conhecemos: não foi um crime premeditado.
Casamento é grude? Só se o casal ambiciona o ódio mútuo. Casamento é a união de duas pessoas que têm afinidades, que gostam muito de conversar uma com a outra, de transar uma com a outra e que resolvem morar juntas porque é mais econômico e porque facilita na hora de ter filhos, que é uma aventura deliciosa a ser compartilhada. Se ambos estiverem de acordo quanto a isso, aceitarão com naturalidade que cada um tenha os próprios amigos, os próprios passatempos, suas viagens, seu trabalho, enfim, que sejam donos de uma vida individualizada e inteira, e não mutilada. Leva-se um tempo até descobrir que esse é um arranjo que funciona. Pena que, antes que o casal amadureça e chegue a esse ponto, muitos desistem por puro apego às convenções.
Você deve estar pensando: muito bem, e agora? Ela vai continuar enrolando ou vai tocar naquele ponto nevrálgico que implode a maioria das relações?
Não, ela não vai continuar enrolando. É hora de falar na dolorosa. A questão da fidelidade.
Se Jennifer Aniston continuar casada com Brad Pitt por mais dez anos, até ela, com aquele monumento em casa, vai começar a bocejar e a olhar impaciente pela janela. Não porque Brad Pitt tenha dentes feios e espinhas no rosto (foi o Rubens Ewald que disse isso; pra mim Brad segue perfeito). A razão será outra: amor e sexo não são da mesma família. O amor é de família nobre e tradicional, enquanto o sexo vem da periferia e é chegado numa promiscuidade. Nem os sentimentos mais elevados por nosso parceiro conseguem evitar que tenhamos desejos secretos e fora de hora. Desejar é humano, meritíssimo, não nos condene. Estranho seria se a gente não tivesse nenhuma fantasia, nenhuma excitação pelo que acontece do lado de fora da cela.
Homens sentem vontade de transar com outras mulheres, e mulheres sentem vontade de transar com outros homens pelas mais diversas razões: para testar seu poder de sedução, para dar um up na auto-estima, para recuperar a adolescência perdida ou porque se apaixonaram por outra pessoa inadvertidamente – arrisco até a dizer: inocentemente. Ninguém tem controle absoluto sobre si mesmo, pode acontecer com qualquer um. E aí, como se resolve?
Quem é temente a Deus reprime. Quem é temente aos olhos dos vizinhos reprime. Quem é temente a si mesmo reprime. Mas quem não quer passar o resto da vida privando-se de sonhar, de se encantar, de namorar outra vez encara e assume os riscos, que não são poucos. Muitos acabam se separando, mesmo tendo um casamento que era satisfatório. No entanto, a tal "pulada de cerca" às vezes não gera maiores conflitos internos, é apenas uma necessidade paralela.
Não é assunto fácil, tampouco é novo. É um problema antigo e cabeludo. Envolve religião e seu subproduto: culpa. Sentimos culpa por tudo. Culpa por sermos avançadas demais, medrosas demais, galinhas demais, santinhas demais. Culpa pela nossa libido, pelas nossas fraquezas, pela nossa coragem. Culpa por estarmos mentindo, omitindo, enganando. Por ter permitido que o casamento chegasse a esse ponto de fragilidade – ou de segurança extrema, acreditando que tudo será perdoado e compreendido.
Casamento é um compromisso sério, mas não deveria significar prisão, submissão, anulação, obediência e tudo mais que caracteriza uma relação tirânica. Casamento deve significar amizade, sexo, respeito, diversão e companhia. Casamento tem que ser alegre, tem que ter sintonia, liberdade e muito jogo de cintura. Casamento não é brincadeira de criança, mas tem que ser leve, e é imprescindível que haja maturidade e – atenção – inteligência! A burrice é inimiga das relações, ela é que permite o surgimento de mesquinharias, preconceitos, implicâncias e ciúmes doentios. Casamento tem que ser aberto, não necessariamente no sentido sexual – isso é negociado caso a caso -, mas aberto para a renovação, para a conversa franca, para as necessidades de cada um, para a intimidade que vai além dos corpos, intimidade de almas, intimidade que permite a gente enxergar o outro, aceitar o outro e viver de maneira menos repetitiva e convencional. Cada casamento exige uma fórmula própria, cada casal inventa a sua, mas de uma coisa não se pode prescindir: da flexibilidade.
Parece facílimo, mas é um deus-nos-acuda. De tudo o que foi dito, a única conclusão a que chego é que os casamentos seguirão desmoronando se não houver uma compreensão do assunto que ultrapasse o romantismo. Amor é fundamental, mas não basta. É preciso um não-sei-quê que a gente não explica, mas sente. Algo que está no ar, no olhar, e que dispensa racionalizações.

Se
Se és capaz de manter tua calma, quando,
todo mundo ao redor já a perdeu e te culpa.
De crer em ti quando estão todos duvidando,
e para esses no entanto achar uma desculpa.

Se és capaz de esperar sem te desesperares,
ou, enganado, não mentir ao mentiroso,
Ou, sendo odiado, sempre ao ódio te esquivares,
e não parecer bom demais, nem pretensioso.

Se és capaz de pensar – sem que a isso só te atires,
de sonhar – sem fazer dos sonhos teus senhores.
Se, encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires,
tratar da mesma forma a esses dois impostores.

Se és capaz de sofrer a dor de ver mudadas,
em armadilhas as verdades que disseste
E as coisas, por que deste a vida estraçalhadas,
e refazê-las com o bem pouco que te reste.

Se és capaz de arriscar numa única parada,
tudo quanto ganhaste em toda a tua vida.
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
resignado, tornar ao ponto de partida.

De forçar coração, nervos, músculos, tudo,
a dar seja o que for que neles ainda existe.
E a persistir assim quando, exausto, contudo,
resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe, não te corromperes,
e, entre Reis, não perder a naturalidade.
E de amigos, quer bons, quer maus, te defenderes,
se a todos podes ser de alguma utilidade.

Se és capaz de dar, segundo por segundo,
ao minuto fatal todo valor e brilho.
Tua é a Terra com tudo o que existe no mundo,
e – o que ainda é muito mais – és um Homem, meu filho!

Problemas?

I

Começa perguntando a ti mesmo se já não é hora de tomar decisões. Se já não tens suficiente experiência para saber o que te perturba, e qual a melhor maneira de resolver problemas. Garanto que teus problemas, se já ais de ler o que ti escrevo, estão bem longe de se constituir um sofrimento de uma criança Africana.

Pergunta a ti mesmo, se o teu problema é somente teu, ou se o é de uma outra pessoa, e pergunta por que o tempo, somente ele, cura; se já não dói muito, viver pouco na doença.

E no ontem, e também hoje, sempre erramos na culpa dos outros, não é verdade?

Deveríamos agir com força. E ser forte, é também ser verdadeiro; e sorrir sempre para os amigos, que estão ao teu lado; e que, sabendo que cada um o ama a sua maneira própria, haverão de magoar-te, como quem pisa num galho sem o ver.

Não condene a vida feliz, por um minuto de infelicidade.

Julgue melhor a ti, do que aos outros. E encontrarás a verdade dos teus problemas, na maioria das vezes, em tua própria lama; suja com lágrimas da ignorância.

II

Fazer de nós, a outra pessoa, não é uma aconselhável atitude; ainda mais quando somos confusos; – confundimos aqueles em que deveríamos confiar. E nos tornamos dois, uma única confusão, ainda maior.

III

Nos momentos de silêncio, ouça a voz do coração.
Nos momentos de alegria, não ria tanto, enquanto o outro chora; lembre-se disto.
E que no mundo, a vida é passageira; todos sabem. E preferem saber disso, equivocando-se, brigando.
Um minuto pode muito bem trair o carinho de amor, que temos por outra pessoa. Mas pergunta a ti mesmo se nunca fostes incauta? Se nunca fostes leviana? Se nunca errastes e quisestes mudar?
Assim, entenderás que nem tudo deve se observar do nosso lado; não deveríamos ser tão egoístas assim; querendo travesseiro e o lençol somente pra nós, enquanto o outro treme de frio.

IV

É bem verdade que fomos mal acostumados. E quando na juventude, o entrave bate a porta, procuramos o colo para deitar. E aprendemos a nos acovardar, temendo nos molhar numa tempestade que já desabou. E fechar os olhos para os problemas e as calamidades nunca foi uma boa solução. E fechar os olhos quando estamos na chuva, não diminui o molhado da roupa.

V

Julgar o outro pelo passado tenebroso; prova que és cauteloso. Embora extrema cautela seja traquina armadilha do diabo; caímos quando nos afastamos do Leão, para morrer na queda pelo Abismo.

VI

Se for possível, chore. Não deixe as lágrimas secarem no coração; encardida já é demais a vida!

VII

Uma roupa, um perfume, traz lembranças tristes; é de suma importância vestir a vida de roupas novas e perfumes límpidos; prontos pra tachar a vida de luzes mais belas e destinos mais sublimes.

VIII

Nunca pense três vezes numa mesma solução inválida. Tal atitude traz a idéia de que fracassamos sempre ao tentar sobrepujar empecilhos. E saiba que cada problema traz consigo a solução, que para cada pergunta existe uma resposta, e saiba que, se de um lado já fora feito algo de bom, talvez seja a hora de tu, fazerdes tua parte.

Todo dia morre um amor. Quase nunca percebemos, mas todos os dias morre um amor. Às vezes de forma lenta e gradativa, quase indolor, após anos e anos de rotina. Às vezes melodramaticamente, como nas piores novelas mexicanas, com direito a bate-bocas vexaminosos, capazes de acordar o mais surdo dos vizinhos. Morre em uma cama de motel ou em frente à televisão de domingo. Morre sem beijo antes de dormir, sem mãos dadas, sem olhares compreensivos, com gosto de lágrima nos lábios.
Morre depois de telefonemas cada vez mais espaçados, cartas cada vez mais concisas, beijos que esfriam aos poucos. Morre da mais completa e letal inanição.
Todo dia morre um amor. Às vezes com uma explosão, quase sempre com um suspiro. Todo dia morre um amor, embora nós, românticos mais na teoria que na prática, relutemos em admitir. Porque nada é mais dolorido do que a constatação de um fracasso. De saber que, mais uma vez, um amor morreu. Porque, por mais que não queiramos aprender, a vida sempre nos ensinaalguma coisa. E esta é a lição: amores morrem.
Todos os dias um amor é assassinado. Com a adaga do tédio, a cicuta da indiferença, a forca do escárnio, a metralhadora da traição. A sacola de presentes devolvidos, os ponteiros tiquetaqueando no relógio, o silêncio insuportável depois de uma discussão: todo crime deixa evidências.
Todos nós fomos assassinos um dia. Há aqueles que, como o Lee Harvey Oswald, se refugiam em salas de cinema vazias. Ou preferem se esconder debaixo da cama, ao lado do bicho papão. Outros confessam sua culpa em altos brados e fazem de pinico os ouvidos de infelizes garçons. Há aqueles que negam, veementemente, participação no crime e buscam por novas vítimas em salas de chat ou pistas de danceteria, sem dor ou remorso. Os mais periculosos aproveitam sua experiência de criminosos para escrever livros de auto-ajuda, com nomes paradoxais como "O Amor Inteligente" ou romances açucarados de banca de jornal, do tipo "A Paixão Tem Olhos Azuis", difundindo ao mundo ilusões fatais aos corações sem cicatrizes.
Existem os amores que clamam por um tiro de misericórdia: corcéis feridos.
Existem os amores-zumbis, aqueles que se recusam a admitir que morreram. São capazes de perdurar anos, mortos-vivos sobre a Terra teimando em resistir à base de camas separadas, beijos burocráticos, sexo sem tesão. Estes não querem ser sacrificados e, à semelhança dos zumbis hollywoodianos, também se alimentam de cérebros humanos e definharão até se tornarem laranjas chupadas.
Existem os amores-vegetais, aqueles que vivem em permanente estado de letargia, comuns principalmente entre os amantes platônicos que recordarão até o fim de seus dias o sorriso daquela ruivinha da 4a. série ou entre fãs que até hoje suspiram em frente a um pôster do Elvis Presley (e pior, da fase havaiana). Mas titubeio em dizer que isso possa ser classificado como amor (Bah, isso não é amor. Amor vivido só do pescoço pra cima não é amor).
Existem, por fim, os amores-fênix. Aqueles que, apesar da luta diária pela sobrevivência, dos preconceitos da sociedade, das contas a pagar, da paixão que escasseia com o decorrer dos anos, da mesa-redonda no final de domingo, das calcinhas penduradas no chuveiro, das toalhas molhadas sobre a cama e das brigas que não levam a nada, ressuscitam das cinzas a cada fim de dia e perduram: teimosos, belos, cegos e intensos. Mas estes são raríssimos e há quem duvide de sua existência. Alguns os chamam de amores-unicórnio, porque são de uma beleza tão pura e rara que jamais poderiam ter existido, a não ser como lendas. E é esse amor que eu quero viver com você, PARA SEMPRE!!!

O mundo.

Vivo em um mundo frio,
onde o Sol não quer mais brilhar com medo…
Medo de "levar" uma bala perdida ao ser
confundido com ouro…
Onde o dinheiro fala mais alto
do que a felicidade e os direitos,
Onde se compra pessoas com preços
a cada dia mais baixos…
Onde se vê na TV a miséria, a guerra, doenças ainda não conhecidas…
e o que muitos querem é sair na capa de alguma revista famosa ou aparecer na TV.
Mundo sem piedade,
onde pais matam filhos e filhos matam pais
ou onde os mesmos geram uma criatura sem culpa que se torna culpada por apenas ter existido.
Onde tristeza invade e a alegria se esconde
com medo de sofrer…
Mundo pequeno demais para ser preservado,
porém grande para ser destruido? Preserve o que sobrou da desvastação de um animal egoísta…
Mundo de poucos mas que divido se torna a casa de muitos como você.
Mundo forte, que o agradeço por ainda ser mundo.

Alienígenas estão aterrorizando a comunidade artística. Diversos grupos musicais, conhecidos pela imoralidade de suas músicas e danças estão sendo raptadas e enviadas ao passado. Um famoso grupo baiano, diariamente visto na mídia, foi a primeira vítima. "Nós estavamos preparando-nos para nos apresentar para um grupo de jovens e crianças quando, subtamente uma luz apareceu e apagamos", diz a celebridade, que não quiz se identificar. Segundo as autoridades, logo que são raptadas, os músicos são enviados para a imediação de algum prostíbulo do passado. "Isto já está acontecendo há dois anos", diz um policial. Logo que chegam, os músicos se dirigem para o estabelecimento para, aproveitando o gancho, se apresentar para nossos antepassados. Este grupo passou pelo maior vexame. "Logo que adentramos o estabelecimento, o porteiro barrou nossas dançarinas, alegando que estavam nuas. Mas não foi só. O proprietário nos convidou para uma apresentação mas, logo que nossas dançarinas e dançarinos iniciaram sua performance, o proprietário nos espulsou do palco com bastante brutalidade", queixa outro integrante do grupo. Houve discussão. O proprietário disse que nossas danças e músicas eram imorais demais para seu estabelecimento. Ao ser informado que nosso grupo, antes de voltar no tempo, preparáva-se para uma apresentação para as crianças e adolescentes, várias prostitutas desmaiaram. Uma delas, estarrecida, perguntou "- Vocês apresentam esta pornografia para crianças? Mas, nem no nosso prostíbulo ousamos dançar da forma que vocês dançam, imitando fazer sexo, e você me diz que dançariam para criancinhas? Que mundo é este em que voces vivem? Não existe mais moral e nem decência nele? " Dirigindo-se para dois dançarinos, ela ainda inquiriu "- Vocês dois por exemplo estavam fingindo uma trepada. Como podem praticar tais cenas diante de uma criança ou adolescente? Vocês não tem vergonha na cara?" Foi um pandemônio. " – Fomos espulsos do prostíbulo" – queixa um dos integrantes. Várias autoridades foram procuradas para dar exclarecimentos mas, segundo elas, está sendo formada uma CPI para averiguar se o governo federal tem alguma culpa no caso. Um importante crítico da conduta moral dos políticos tem a teoria de que o fato dos músicos serem conduzidos às imediaçôes de alguma casa de prostituição do passado é um complô alienígina para desmoralizar (moral dos meios de comunicação) tais grupos musicais. " – O fato de suas músicas e danças parecerem pornografia é irrelevante, pois eles contribuem com a arte brasileira e o lucro de nossa patota. Portanto, merecem o respeito da mídia" completa o crítico

Sensacões, como são difíceis de serem expressas…
O coração bate tresloucadamente, as mãos suam,nervos a flor da pele e aquela incerteza latente:ligar ou não ligar? E se ele não lembrar de mim? E se simplesmente me ignorar??? O que fazer…
Coração retumbando dentro do peito, ansiedade pura, pulsação como se tivesse acabado de correr uma maratona… E então ela decide: vou ligar e seja o que Deus quiser!
Levanta de sua mesa de trabalho, atrolhada de processos complicadíssimos que destrincha com a maior facilidade e o medo se apodera dela…Não vou desistir, hoje eu vou ligar… Seus dedos tremulam ao digitar os números, código da operadora,2 números, código da área,+ 2, número do telefone,+ 08 , são doze intermináveis números que ela digita durante os quais ela simplesmente não raciocina para não desistir.
Números discados, telefone chamando, toca uma, duas, três, ela já até está querendo desligar pensando “viu, ele não atendeu, a culpa não foi minha”! Quando ouve um alô do outro lado, daquela voz tão conhecida, jamais esquecida, apesar do tempo passado, ela tira uma forca que não sabia que possuía e comeca a falar…Primeiro coisas triviais, “ como tu estás, e o trabalho, saúde?” e todo aquele papo educado que aprendemos a ter, como dizem os franceses “come il faut”… Perguntas que vão , respostas que vêm, questões respondidas e o tempo passando e ela pensando: “ eu não vou conseguir…” Mas ela é uma mulher determinada, que aprendeu a lidar melhor com suas emoções e que acha extremamente injusto esconder seus sentimentos dos outros e de si própria…
Então menciona: “isto não têm nada a ver com você , eu é que preciso te dizer isso…”respira fundo e solta o verbo, com uma coragem que vem das entranhas: “tu não sabes como eu te amei naquela época…”, ela nunca havia dito isso com todas as palavras: EU TE AMO! Apesar das atitudes indicaram, os olhos falarem,mas a boca era reprimida…Não conseguia dizer durante todos os momentos apaixonados e maravilhosas vividos, essas palavras mágicas… ela ainda era uma menina-mulher, confusa, apaixonada… e achava que não dizendo isso, deixava de entregar o que já havia sido entregue a muito tempo: sua alma, seu coração e seu corpo… Quanta bobagem… só o tempo e a experiência a deixaram ver isso… Vitória ! Ela disse! Conseguiu! Está em paz com sua consciência. Disse a quem nunca havia dito que o amava, apesar de um atraso de dez anos, mas isso é detalhe! Ela deixou de dizer, ele deixou de ouvir, será que mudaria algo??? Agora isso não interessa…Ele pareceu um pouco perturbado e diz que ficou emocionado…Retribui com o velho jargão “eu também gostei muito de ti”…
Ela não acredita que cumpriu a missão que tinha estabelecido para si mesma, então se despede: “um beijo para ti” e desliga.

Volta para sua sala, senta em sua mesa, em frente ao seu computador, como se nada tivesse acontecido! Tudo parece igual, seus colegas sérios trabalhando, os processos se avolumando e ela tenta se concentrar, seus olhos enchem de lágrimas, ela havia vencido mais uma batalha! Ela era uma mulher de verdade que não esconde o que sentiu, sente e sentirá! Cresceu e amadureceu!
Se parabeniza mentalmente e pensa: “a liberdade realmente é azul!”

Sonhos de verão

Sonhos de amor e de paixão.
Sem culpa, sem perdão, além do sim e do não.
Sonhos de esperança.
Sonhos de criança.
Mundo colorido, carrossel.
Sonhos dos sonhos.
Vidas que se cruzam.
Amizade, carinho e satisfação.
Sonhos de verão.

O bom não é fazer que alguém se apaixone por você. Todos conseguem isso.
O bom é viver o amor que o outro tem para te dar e se entregar sem medo e sem culpa.
O bom é ter coragem para ser amado com toda a intensidade do seu ser e amar também.
O bom é rir das besteiras que só o amor tem e não ter vergonha disso.
O bom é estar ao lado de quem te ama e não precisar faze nada.
Acho que você tem que aprender a amar e se deixar ser amado, de verdade, sem culpa, sem medo…

Amizade

Muitas pessoas irão entrar e sair da sua vida
mas somente verdadeiros amigos deixarão pegadas no seu
coração.

Para lidar consigo mesmo, use a cabeça,
para lidar como os outros, use o coração,
raiva é a única palavra de perigo.

Se alguém te traiu uma vez, a culpa é dele;
Se alguém te trai duas vezes, a culpa é sua.

Quem perde dinheiro, perde muito,
Quem perde um amigo, perde mais.
Quem perde a fé, perde tudo.

Jovens bonitos são acidentes da natureza:
Velhos bonitos são obras de arte.

Aprenda também com o erro dos outros,
você não vive tempo suficiente para cometer
todos os erros.

Amigos você e eu…
Você trouxe outro amigo…
Agora somos três…
Nós começamos um grupo…

Nosso círculo de amigos…
E como um círculo,
não tem começo nem fim…

Ontem é história:
Amanhã é mistério,
Hoje uma dádiva,

É por isso que é chamado presente…

Morrendo de inveja

Eu e você sabemos que mais que um pecado, a inveja é um dos sete sentimentos básicos que o ser humano pode nutrir pelo outro, simultaneamente ou não: amor, paixão, ódio, amizade, indiferença, compaixão e inveja. Os demais estados de espiritos são derivados.

A inveja é um tema e tanto! Uma vez que começamos a refletir sobre ele, vemos que está bem próximo e que podemos despertar a iradesse monstro que habita nosso interior simplesmente por sermos exatamente como somos. Mostro, porque pode se transformar e transformar a nós mesmos.

Ah, se você nunca sentiu inveja, ainda não nasceu. Ela existe em to-dos, sem exceção. A diferença é quando a admiração motivadora se transforma em rancor pelo que não se consegue ser, possuir, parecer. É a inveja auto-destrutiva.

Até o monge que só come gafonhoto tem inveja da divindade da qual tenta aproximar-se através da pureza e do sacrifício.

A gente copia o corte de cabelo de uma celebridade ou se sente estimulado a fazer algo pelo exemplo de outro. Isso é motivação, admiração.

Mas, de repente você começa a sentir alfinetadas de um certo colega, até pouco tempo amistoso. Sendo homem, você não consegue identificar a inveja como a razão do comportamento permeado de raiva.

Acontece que você pode representar algo que o incomoda muito: pode ter a casa que ele ainda não possui ou tem certeza que jamais possuirá. Pode ter a beleza que a mulher dele não aparenta e estando fora de seu alcance…e daí por diante.

Você vai causar inveja por existir. Ele não progride, não ganha nada com isso, mas, torce para que você se afogue em plena romaria fluvial.

Culpa sua, baby? Não. O outro é que deve estar num momento de extrema baixa-estima, frágil ou desapontado – consigo mesmo, com as chances que a vida não ofereceu. Na impossibilidade de sentir raiva de si, ele a vê, feliz – você personifica tudo o que ele queria e não conseguiu. Cuidado!

A inveja do dia-a-dia é a do anel, da bolsa nova, do amor novo (ou antigo, porque está durando…). Essa é fácil de administrar. Pessoas saudáveis sabem que não é perigosa.

Não adianta querer possuir tudo o que suas amiguinhas têm – você irá a falência ou se tornará uma compradora compulsiva.

O "clone", copia nosso estilo. Tudo o que a gente tem, ele(a) também tem. Freqüenta o mesmo curso, o mesmo salão e coisas do gênero. Só tem um remédio: distância.

A inveja daquilo que somos (cultura, carisma, competência, beleza) é muito pior. Quando a inveja é motivada por uma razão que pode não ser suprida (ser competente ou carismático não se pode comprar), torna-se destrutiva: atinge o algo e o invejoso. Geralmente, ambos saem traumatizados dessa experiência (quando saem!).

O objeto da inveja, sendo uma pessoa "normal", não consegue entender a perseguição, não percebe que suas conquistas e eu "modo de ser" causam sofrimento no outro. Por sua vez, este tenta prejudicar o invejado, mas, não reconhece a razão. Isso seria demais. Seria a cura sem terapia. Impos-sível, meu amor.

A inveja destrutiva só ocorre entre pessoas próximas – familiares incluídos. Ninguém tem esse sentimento em relação à Giselle Bundchen, por exemplo, só um parente ou outra top…Para nós, ela é um mito, admirado ou não. E só.

E aquelas pessoas que gostam de causar inveja?

São os inseguros que, não agradando a si próprios, alardeiam qualidades: dinheiro, poder, conquistas. Sentindo-se invejados, pensam ter conseguido sucesso. São os "só papo". Inofensivos para outros e auto-destrutivos, jamais serão considerados realmente bons, a não ser de propaganda enganosa.

DE QUEM É A CULPA? – PORQUE ELE… >>> <<<PORQUE ELA…

Dr. Márcio Funghi de Salles Barbosa

Todo psicoterapeuta de casais já vivenciou uma discussão de casais, onde o culpado é sempre o outro. Percebendo o aumento de separações judiciais, iniciei um projeto pretensioso, onde formo “Orientadores Sexuais” junto aos advogados. Concluí que se eles pudessem captar desajustes sexuais, talvez fizessem menos processos de separação, em troca ganham mais amigos e possíveis clientes para causas outras, que jamais teriam após uma contenda conjugal, onde as pessoas ainda são como a lua, querem sempre esconder uma face. Ao perceberem sinais de desajustes sérios estes profissionais costumam encaminhar-me para terapia estes casais.
Desgastados afetivamente, preferem desfiar os motivos da derrocada conjugal, mostrando que vestiram o jugo (canga), imposto pelo outro.
Aí surge um desfile de “porque ele, porque ela”, que se dermos corda, podem durar horas de descrições de culpas do outro.
Uso uma estratégia; olhando para eles, retiro o relógio do braço, olho as horas e dou um prazo de cerca de trinta minutos, findos os quais posto as mãos em forma de T e peço um tempo. Levo um minuto para tornar a vestir o relógio e depois pergunto: “Fiz esta pausa, para depois dela fazer uma pergunta: O jeito como estão levando a vida tem dado bons resultados?“. A resposta surge de um ou dos dois em uníssono: “Se estivesse dando resultados, nós não estaríamos aqui!”.
Neste instante proponho uma nova abordagem: _ Se vocês concordam que este método não funciona, gostaria de propor outro. Doravante, por algum tempo, que levará quanto prazo necessitar, cada um vai analisar em períodos estipulados, a sua participação no insucesso do casamento, com uma regra, é proibido culpar o outro.
Nesta primeira fase da terapia minha intervenção surge quando o outro é mencionado como concausa.
Ao final dos relatos, que podem levar algumas seções, percebe-se que o outro não conhecia bem com quem se casara.
Nem sempre a decisão final termina em um, “felizes para sempre”; mesmo porque não cremos que as pessoas deixem de ter atritos. Eles são indispensáveis para o crescimento. O casamento é como uma empresa, as sem problemas faliram!
Aos poucos entretanto os dois acabam confessando seus estratagemas para aborrecerem ao outro e este mostra como reagia errado, agredindo em troca.
Sentindo-se inadequados, um acaba perguntando ao outro: o porquê dele não verbalizar como se sentia. A resposta vinha quase sempre com o mesmo conteúdo: “Não queria me mostrar agredido e dava o troco”.
Ao se inteirarem da verdade que quem agride está inseguro, assim como quem se sente agredido, sentem-se com os pés no chão, percebendo quanto desgaste fizeram.
Aí começa a reconstrução, que pode passar por uma separação adequada, onde os filhos tenham pai e mãe, ou num recomeço sem culpas e sem remorsos, mas sentindo que nada sabiam e agora começam a se ver.
Recaídas? Acontecem muitas vezes, mas a máscara caída facilita o reconhecimento do outro. Quando o casal manifesta desajustes sexuais, ensinamos a contorná-los e a envolverem-se numa redescoberta onde o sexo passa a servir como recompensa às descobertas conjuntas.

Contato:
pergunte@drmarcioconsigo.com

Viver sem medo de errar!!!

Descobri que por mais que eu busque sempre fazer a coisa certa ,sempre vou errar!!!
Sei que não teria sentido a vida se não existissem também os erros.
De que valeria viver sem existir o risco de cometer erros?! Não teria muito sentido não, porém…buscamos a perfeição, queremos tudo que é certo, fazer o certo, ser a pessoa certa, ter as coisas certas, mas pra isso, sempre erramos, cometemos falhas, falamos coisas na hora imprópria, chegamos muitas vezes atrasados, falamos sobre um assunto que não era conveniente na ocasião, olhamos indiscretamente quando não era pra olhar, rimos numa reunião seríssima, erramos até mesmo quando fazemos juras de amor…nossa!!! esses erros são os melhores. Digo isso porque são erros que cometemos com mais frequência, e se depender de mim, vou errar nisso sempre, porque não faço jura de mentira, sempre que as fiz foi pra valer, se errei , e eu sei que errei foi coisa do destino, não foi culpa só minha, circunstâncias me fizeram esquecer tais juras, tais amores, e muitas coisas que eu jurei ser pra sempre…
Nada é pra sempre, durante minha vida inteira vou mudar meus pensamentos, vou falar coisas que eu mesma vou me surpreender depois, vou chorar por coisas pequenas , vou gritar de alegria, vou rir de nervosa, vou dormir vendo filme, vou comer mais por ansiedade e perder o apetite quando estiver apaixonada, fumar um maço de cigarro enquanto espero um telefonema, tomar uma garrafa de vinho quando estiver em boa companhia, vou cochilar no sofá depois de ouvir minha música preferida no rádio, vou mandar flores e demonstrar meu amor, vou sorrir pra não chorar, vou pedir teu abraço, vou roubar um beijo, dizer sempre o que estou sentindo, e sentir sempre da maneira mais pura, vou vigiar, vou ter cuidados , sentir ciúmes, abraçar forte, fingir que não notei quando você fizer alguma coisa errada pra que não fique constrangido, mas com o tempo conseguir te ajudar com isso, que quando erre não fique sem jeito, mas que seja um motivo a mais para outra boa conversa entre nós. Vou fazer loucuras, vou esquecer da última briga, vou ligar após uma discussão, vou fazer surpresas, vou ficar sozinha por um tempo, vou jurar nunca mais dizer “eu te amo” , mas… vou acordar de bom humor, vou abrir as cortinas e receber o sol, colocar uma roupa linda, vou olhar pro espelho, e ver meu sorriso, ver o brilho nos meus olhos, vou sair sem rumo e no meio do caminho ter a grande idéia de tomar café com você.
Vou tentar ser feliz mais uma vez…vou jurar que dessa vez não erro mais, mesmo sabendo que isso é impossível, vou então tentar ser feliz, te fazer feliz…
Vou acreditar no amor, vou confiar no destino …vou viver!!!

Não tenha medo de viver! Não há certezas, apenas tentativas. Tudo depende do que você decide neste exato instante. Cada dia tem o seu segredo: delicioso, mágico. Medo é um atraso de vida. São transformações para o nosso crescimento pessoal, experiências para melhorarmos como indivíduos. Emoções, medo de gostar, medo de não dar certo, medo de aceitar desafios, medo de viver! Vale a pena deixar de aproveitar as oportunidades da vida, por puro medo? Pode acontecer de tentar e não dar certo? Sim, pois o futuro a Deus pertence. Mas se realmente você quer, deseja com a sua alma, arrisque! Não sinta culpa, pense em sua felicidade. Não importa a duração, e sim, a intensidade dos sentimentos. Prefira mil dias em um, do que um dia em mil. Programe-se para dar a virada na sua vida! Vale a pena deixar de aproveitar as oportunidades da vida, por puro medo? Pode acontecer.

DEFINIÇÕES

Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue.

Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta
um capítulo.

Angústia é um nó muito apertado bem no meio do sossego.

Preocupação é uma cola que não deixa o que ainda não aconteceu sair de seu pensamento.

Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa.

Certeza é quando a idéia cansa de procurar e pára.

Intuição é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido.

Pressentimento é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista.

Vergonha é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora.

Ansiedade é quando sempre faltam muitos minutos para o que quer que seja.

Interesse é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento.

Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado.

Raiva é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes.

Tristeza é uma mão gigante que aperta seu coração.

Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma.

Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros.

Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente mas, geralmente, não podia.

Lucidez é um acesso de loucura ao contrário.

Razão é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato.

Vontade é um desejo que cisma que você é a casa dele.

Paixão é quando apesar da palavra ¨perigo¨ o desejo chega e entra.

Amor é quando a paixão não tem outro compromisso marcado.
Não… Amor é um exagero… também não.
Um dilúvio, um mundaréu, uma insanidade, um destempero, um despropósito, um descontrole, uma necessidade, um desapego?

Talvez porque não tenha sentido, talvez porque não tenha explicação,
Esse negócio de amor, não sei explicar.

Sexo é pura Matemática: primeiro você diminui as roupas, depois divide bem as pernas e por último reza pra não dar multiplicação.
Sexo é como vestibular, não importa a posição, o importante é entrar!
Para finalizar Se você consegue rir quando tudo deu errado, é porque já descobriu em quem por a culpa.

Mas todas as mães ,sem exceção, deram à luz grandes homens e se a vida as enganou em seguida, delas não foi a culpa.

    Curta-nos no Face!

Recomendamos
Contato:


Sugestões, reclamações ou elogios podem ser feitos pelo email, contato@imotion.com.br ou participe da nossa comunidade no orkut!
Comunidade Portal Imotion